Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]

PORTAL DO AUTOMÓVEL


Quinta-feira, 19.04.12

ENSAIO: Suzuki Swift 1.3 DDiS

Razões económicas nem sempre bem avaliadas e uma maior facilidade de condução tornam os utilitários com pequenos motores a gasóleo simpáticos aos olhos do consumidor português. Com uma estética desportiva e consensual, o pequeno Swift ressurge equipado com a compacta unidade diesel presente na anterior geração, um bloco de origem Fiat e Opel.
Capitalizando uma renovação recente ao nível estético e no capítulo mecânico, com a dotação de um novo motor a gasolina mais económico e menos poluente, graças à adopção do sistema start/stop, o bonito Swift tem, na sua gama, uma igualmente económica versão a gasóleo.
Este motor é o mesmo da anterior geração. Apesar dos ganhos obtidos ao nível da potência (de 69 para 75 cv) e de binário (de 170 para 190 Nm), o facto de este ser alcançado mais cedo (1750 rpm em vez das 2000) e uma nova gestão do motor fizeram o consumo médio homologado decrescer algumas décimas.
Mais expressiva foi a redução do nível de emissões (de 122 g/km para 109), em grande parte por causa da adopção de um novo filtro partículas.

Comportamento exemplar

A importância destes valores traduz-se no facto de passar a cumprir as actuais normas europeias referentes às emissões de poluentes, e nos benefícios fiscais que, em alguns mercados, advém da redução das emissões. Sendo que as melhorias efectuadas em nada interferiram no seu desempenho dinâmico, com a versão actual a exibir melhores prestações do que a unidade anterior.
Explanados os dados técnicos, o resultado prático do seu ensaio revelou um carro divertido de conduzir, ágil e com forte poder de aceleração até aos 70/80 km/h. Ideal, portanto, para o desembaraço urbano, favorecido pelas dimensões compactas e ainda pelo bom escalonamento da caixa de 5 velocidades. Este Suzuki Swift DDiS começa a ser rápido a partir de pouco mais das 1500 rpm (até lá anda algo indeciso) e estende essa força além das 3000 rpm. Suave e pouco ruidoso (excepto a baixas rotações), este motor mostra-se moderado a consumir, com a média final do ensaio a registar, no computador de bordo, uns surpreendentes 4,3 litros.
Em estrada, o andamento corresponde de igual forma. Velocidades e desempenho muito interessantes, quase ao nível de um pequeno desportivo, situação na qual o Swift vale-se da boa aerodinâmica e das vias largas. Estável, curva sem adorno e, se muito provocado, apenas com ligeiro e divertido escorregar da traseira.
Que diferença face à “castrada” versão 1.2 a gasolina!

Imagem interior inalterada

Embora com uma estrutura compacta, a largura do conjunto e a altura da parte traseira favorecem-lhe a habitabilidade. Efectivamente, atrás, dois adultos conseguem viajar com desafogo, com sacrifício da capacidade da mala que se queda nuns pouco expressivos 211 litros.
Com demasiado plástico à vista, mesmo assim o rigor e a aparente solidez do interior acompanham o desenho simpático e a funcionalidade dos comandos. Mais simpático se torna o interior ou a funcionalidade quando dotado de equipamento como o tecto panorâmico em vidro com cortina eléctrica (Sunroof) ou a chave inteligente, que controla também o processo de abertura e fecho de portas.
Com preços a partir de pouco mais de 18 mil euros e um nível de equipamento bastante razoável, este despachado Swift beneficia, tal como os restantes, de uma campanha especial de preços até ao final de Abril.

Dados mais importantes
Preços (euros)desde 18 000 (GLX/3 p.)
Motor
1248 cc, 4 Cil./16 V, 75 cv às 4000rpm, 190 Nm a partir das 1750 rpm, common rail, turbo, intercooler
Prestações165 km/h, 12,7 seg. (0/100 km/h)
Consumos (médio/estrada/cidade)4,2 / 3,6 / 5,1 litros
Emissões Poluentes (CO2)109 gr/km

Procura automóvel novo, usado ou acessórios? Quer saber mais sobre este ou sobre outro veículo?

Autoria e outros dados (tags, etc)

Quarta-feira, 28.09.11

APRESENTAÇÃO: SUZUKI Swift 1.3 DDiS

Comercializado em três níveis de equipamento – GL+, GLX e GLX Sunroof –, esta versão diesel alarga finalmente a oferta de motores da recente geração do Swift. Apelativo por fora e surpreendente na habitabilidade, o utilitário japonês reforça os argumentos de uma gama que, em Portugal, incluía, até agora, somente o motor a gasolina 1.2. Com tecnologia common-rail, a unidade 1.3 DDiS possui 75 cv e debita um binário máximo de 190 Nm às 1.750 rpm. Preços a partir dos 18 mil euros (*) para a versão base de 3 portas.

Um novo sistema de filtro de partículas com catalisador incorporado, montado à saída do motor, permite ao Swift 1.3 DDiS emissões de 109 g/km de CO2 e um consumo combinado de 4,2 litros.
Isso não o impede de alcançar uma velocidade máxima de 165 km/h ou de necessitar de 12,7 segundos na aceleração dos 0 aos 100 km/h.
Associado a este bloco turbodiesel encontra-se uma transmissão manual de cinco relações. Partilha com a versão a gasolina 1.2 VVT (disponível a partir de 12170 euros ou 14760 euros se incluir sistema “start/stop”) a direcção de pinhão e cremalheira, o sistema de travagem com discos dianteiros ventilados e a estrutura de suspensão tipo MacPherson à frente e com barra de torção atrás, complementadas com molas helicoidais.

Níveis de equipamento

Justificando as 5 estrelas que lhe garantem a liderança do segmento Supermini nos testes de colisão EuroNCAP, esta versão do Suzuki Swift surge desde logo equipado com airbags frontais, laterais, de cortina e de joelho no lado do condutor, ESP e assistência à travagem de emergência.
A versão base – GL+ – encontra-se disponível tanto para as versões de 3 portas (a partir de 18 mil euros) como de 5 portas (mais 700 euros). Este nível oferece ainda volante em pele, ar condicionado manual, sistema de áudio CD/MP3 com comandos no volante e vidros eléctricos dianteiros e traseiros. As jantes em liga leve de 16 polegadas completam o conjunto.
No “GLX” (19.500 euros) e “GLX Sunroof” acrescem o "cruise control’ com controlo no volante, ignição com botão “start” associado à chave inteligente (que controla também o processo de abertura e fecho de portas, “sem chave”), ar condicionado automático, coluna de direcção regulável em altura e profundidade e o sistema de comunicação com Bluetooth©, para além dos vidros traseiros escurecidos.
O nível “GLX Sunroof” (20.300 euros) acrescenta, como desde logo indicia a sua designação, um tejadilho de abrir com comando eléctrico. Adicionalmente, também sensores de estacionamento atrás.
Devem somar-se mais 295 euros para a pintura metalizada ou 470 para a pintura metalizada especial ZRK Vermelho Ablaze Pearl.

(*) PVP com IVA 23% e ISV 2011; Não inclui Despesas Administrativas nem Ecovalor.

Texto elaborado com base no documento distribuído pelo Departamento de Comunicação da marca

Autoria e outros dados (tags, etc)


Pesquisar neste site

Pesquisar no Blog  

"Portal do Automóvel" é um meio de comunicação dirigido ao grande público, que tem como actividade principal a realização de ensaios a veículos de diferentes marcas e a divulgação de notícias sobre novos modelos ou versões. Continuamente actualizado e sem rigidez periódica, aborda temática relacionada com o automóvel ou com as novas tecnologias, numa linguagem simples, informativa e incutida de espírito de rigor e isenção.
"Portal do Automóvel" é fonte noticiosa para variadas publicações em papel ou em formato digital. Contudo, a utilização, total ou parcial, dos textos e das imagens que aqui se encontram está condicionada a autorização escrita e todos os direitos do seu uso estão reservados ao editor de "Cockpit Automóvel, conteúdos auto". A formalização do pedido de cedência de conteúdo deve ser efectuado através do email cockpit@cockpitautomovel.com ou através do formulário existente na página de contactos. Salvo casos devidamente autorizados, é sempre obrigatória a indicação da autoria e fonte das notícias com a assinatura "Rogério Lopes/cockpitautomovel.com". (VER +)