Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]

PORTAL DO AUTOMÓVEL


Segunda-feira, 07.05.12

ANÁLISE: Vale a pena comprar um automóvel eléctrico?

Perante o preço dos combustíveis e face ao surgimento de modelos 100 por cento eléctricos coloca-se a questão: valerá a pena pagar, seguramente, mais de 20 mil euros para ter um carro eléctrico com capacidade para mais de dois ocupantes? Sabendo que se está condicionado a uma autonomia de pouco mais de 100 km e não é seguro encontrarmos um posto de carga justamente quando mais precisamos dele?
Percorrer mais de 100 km por pouco mais de dois euros de custo de energia é, seguramente, razão válida para dispor de um carro eléctrico. Depois aparecem as contrariedades: autonomia, tempo de carga das baterias e preço do veículo.
Portugal foi pioneiro na mobilidade eléctrica. Como País na vanguarda das energias renováveis apostou-se forte na criação de uma rede de postos de carga de energia, na tecnologia para os construir e o consórcio que deu lugar à criação da rede MOBI-E aparentava solidez, até um dos seus parceiros mais importantes, o governo português, praticamente abandonar o projecto.
Recentemente, o antigo responsável pelo AICEP, Agência para o Investimento em Portugal, criticou a passividade do actual governo ao deixar cair o projecto Mobi-e, projectado pelo anterior governo. Ainda que o actual Ministro da Economia, Álvaro Santos Pereira tenha garantido que “o projecto do Mobi-e não foi abandonado” mas que “existem reformas estruturais mais urgentes” neste momento, a verdade é que os indícios parecem revelar exactamente o contrário.

Postos fora de serviço

Nos dias em que tive oportunidade para ensaiar o familiar eléctrico da Renault, o Fluence, ou o da Nissan, o Leaf, raramente encontrei um único posto de carregamento público de baterias a funcionar na área de Lisboa. Os únicos que pareciam estar em condições para o fazerem situavam-se em Centros Comerciais.
Para quem não sabe, estes postos activam o fornecimento de energia após a leitura de um cartão MOBI-E com as informações do cliente. Resta depois inserir uma das tomadas do cabo no posto de fornecimento de energia, a outra no local próprio da viatura e aguardar que as baterias se encontrem com carga suficiente para percorrer os quilómetros desejados.
Perante o que se coloca nova questão: salvo os postos de carregamento rápido (muito poucos, o mais prático fica na A5, auto-estrada de Cascais, estação de serviço da Galp), que garante uma carga razoável em 20 minutos/meia hora, em todos os restantes é necessário esperar várias horas para obter, pelo menos, carga suficiente para meia centena de quilómetros.
O que, à partida, não seria grande obstáculo para quem utilize um carro eléctrico na sua deslocação casa/trabalho, por exemplo. O problema é que, situando-se na via pública, existe o sério risco de, no retorno, já não existir cabo de energia por alguém o ter levado… por engano.
Contudo, quem habita ou trabalha na periferia de e tenha um raio de acção que não implique circular mais de 120 quilómetros com um único carregamento, poderá poupar, e muito, com uma viatura eléctrica. Com um carro a gasóleo ou a gasolina, dificilmente percorrerá essa distância por menos de quatro ou cinco vezes o preço da energia necessária para carregar as baterias. E se é verdade que há que ter em conta a diferença de preço de um veículo eléctrico, este também implicará, à partida, um custo de manutenção menos elevado. Praticamente deverá circunscrever-se ao equipamento partilhado com as viaturas térmicas: ar condicionado, iluminação, sistema de travagem, escovas limpa-vidros, etc.
Por fim, não menos importante, é preciso dispor, no local de trabalho ou na residência, de um local prático para proceder ao carregamento das baterias. Preferencialmente numa garagem, bastando, para o efeito, os préstimos de uma vulgar tomada doméstica de 220 Volts.

MOBI-E e incentivos

Uma das apostas do anterior governo no plano de mobilidade eléctrica passava por estimular as entidades públicas, empresas e cidadãos individuais a adquirirem uma viatura eléctrica.
Decisivo foi a disseminação de uma vasta rede de postos de carga, capazes de tranquilizarem os proprietários de carros eléctricos; é que ver aproximar-se o fim da autonomia e desconhecer se existe ou não um posto de carga próximo e se este está ou não a funcionar é factor suficiente para gerar muita ansiedade.
Hoje, a maioria desses postos encontra-se fora de serviço. Não raras vezes, com viaturas não eléctricas estacionadas a obstrui-los. Em duas ocasiões, na Av.ª 24 de Julho em Lisboa, liguei para o número fornecido pelos serviços MOBI-E, para relatar a avaria dos postos. Sem sucesso, uma vez que ninguém atendeu a chamada.
Outra forma de incentivo criada pelo anterior governo, passou por um “desconto” de 5000 mil euros na aquisição das primeiras 5000 viaturas eléctricas. A que se poderia juntar ainda o incentivo ao abate de viaturas com mais de 10 anos.
Facto é que a última legislação relacionada com este empreendimento data de Novembro de 2011 e diz exactamente respeito à revogação do Decreto-Lei n.º 39/2010, de 26 de Abril, que cria e regulamenta os incentivos financeiros na aquisição de veículos exclusivamente eléctricos.
Estagnado o projecto MOBI-E, inserido no “plano nacional para a eficiência energética”, desperdiçados os milhões de euros até agora investidos, Portugal arrisca-se ainda a perder em duas frentes: uma no plano da imagem internacional (o nosso País é líder em tecnologias de aproveitamento de energias renováveis), outra no plano do investimento e da criação do emprego. O primeiro sinal aconteceu quando a Nissan anunciou o cancelamento das obras para a instalação de uma fábrica para o fabrico de baterias para o Leaf e, mais do que provavelmente, outras baterias para modelos do grupo Renault/Nissan.
Compare-se AQUI com importância que a Noruega dá ao assunto e os resultados que obtém.
Prosaicamente existem outras questões importantes que mereciam ser debatidas, mas que levariam a análises ainda mais exaustivas: a renovação do parque automóvel, que colocaria fora de circulação viaturas altamente poluentes, e a consequente redução dos níveis de CO2 em respeito pelas cotas de emissões de gases a que Portugal se vê obrigado no seio da União.
Pelo andar da carruagem, esta última será a mais fácil de resolver: não tarda, sobre rodas, pouco mais resta aos portugueses do que a bicicleta. Vale o facto de isso trazer benefícios para a saúde!

Procura automóvel novo, usado ou acessórios? Quer saber mais sobre este ou sobre outro veículo?

Autoria e outros dados (tags, etc)

Segunda-feira, 26.03.12

Renault Twizy: concorrente eléctrico do Smart já tem preços

A Renault revelou os preços do seu futuro citadino eléctrico, o Twizy. A gama terá um preço de entrada de 6990 € (IVA incluído) para a versão Twizy 45, equipada com um motor de 9 cv. Pode ser utilizada por condutores a partir dos 16 anos, sem necessidade de carta de condução. O Twizy com motor de 17 cv estará disponível com dois níveis de equipamento, “Urban” e “Technic”, com preços de, respectivamente, 7 690 € e 8 490 € (ambos os valores com IVA incluído).


Cem por cento eléctrico e com um preço acessível a partir de 6990€ (não incluindo o aluguer da bateria), o Renault Twizy possui autonomia homologada para 100 km em ciclo urbano normalizado, graças à sua bateria ião-lítio de 6,1 kW e ao sistema de recuperação de energia na desaceleração.
Em utilização real, o cliente poderá realizar cerca de 80 km, aplicando os princípios da eco-condução (55 km em condições de fortes acelerações repetidas), sendo que uma carga completa feita numa vulgar tomada doméstica de 220V. é feita em menos de 3h30.

O Twizy 45 dispõe de um motor de 7 kW / 9 cv, com um binário máximo disponível, a partir do arranque, de 33 Nm. A velocidade máxima está limitada a 45 km/h,
A versão mais potente conta com uma unidade eléctrica de 13 kW / 17 cv, disponibiliza 57 Nm e limita a 80 km/h a velocidade máxima.


Urbano e seguro


Com dimensões ultra compactas (2,34 metros de comprimento por 1,2 metros de largura) e um baixo centro de gravidade, o Twizy é capaz de se imiscuir em todos os "buracos" ou estacionar no mais pequeno dos espaços disponíveis.
O motor eléctrico oferece acelerações lineares, com disponibilidade imediata de todo o binário e um completo silêncio de funcionamento. Para acelerar dos 0 aos 45 km/h precisa apenas de 6 segundos, com uma aceleração idêntica à de uma scooter de 125cc em 50 metros. Com a visão panorâmica e um raio de viragem de apenas 3,4 m., o Twizy movimenta-se mais rapidamente que um automóvel em meio urbano graças às dimensões ultra-compactas que lhe facilitam também o estacionamento.
Oferece aos seus dois ocupantes, sentados em «tandem», um nível de segurança muito superior ao de um veículo de 2 rodas, já que está equipado com vários dispositivos de segurança activa e passiva como a estrutura monocoque, airbag para o condutor, sistema de travagem de 4 discos, e cintos de segurança integrais. A carroçaria e os deflectores laterais ajudam a proteger do vento e das intempéries.


Renault Twizy 45


A versão com apenas 9 cv tem uma velocidade limitada a 45 km/h. Em Portugal não será necessária a carta de condução, sendo por isso uma alternativa mais segura, para jovens condutores, aos veículos de duas rodas. Os clientes do Twizy 45 subscreverão um aluguer mensal da bateria de 50 € (IVA incluído).
Nas versões equipadas com o motor de 17 cv o valor mensal do aluguer será de 50 € (IVA incluído).

Uma solução prática e segura para muitos pais interessados em motorizar os filhos de uma forma mais segura do que sobre duas rodas. Afinal, um chassis com 4 oferece mais estabilidade, além de contar também com 4 travões de disco desenvolvidos, em exclusivo, pela Renault Sport Technologies. E além de ser fora do vulgar, a célula protectora do Twizy é um verdadeiro “capacete” para os seus dois ocupantes (o condutor conta com airbag), seguros por cintos de segurança de 4 (à frente) e 3 pontos (atrás).



100% eléctrico e sem limitações


Numa situação limite de bateria totalmente descarregada, bastam 3 horas e meia para conseguir fazê-lo a partir de uma vulgar tomada doméstica. Com uma massa de 450 kg (dos quais 100 kg de baterias), a autonomia é de cerca de 100 km em circuito normalizado.
A gama de acessórios contempla:
- Saco semi-rígido de 50 litros
- Protecção adicional para o frio e as intempéries
- Um kit áudio Parrot que inclui uma conexão Bluetooth, uma entrada USB, uma entrada jack e uma entrada Apple.
- Radar de estacionamento traseiro.


Personalização e arrumação


Existem múltiplas possibilidades de personalização. Cada um pode adoptar o seu estilo, da escolha das motorização às cores disponíveis, do tecto transparente aos materiais técnicos e ao equipamento.
A partir de uma forma tão característica com portas que abrem verticalmente como se fossem “asas de gaivota”, o Twizy possui três níveis de acabamentos e quatro cores: Urban, Color e Technic.
Do mais sóbrio ao mais "fun", a gama declina-se em branco, preto, cinzento, vermelho ou mesmo com dois tons. Com uma palete de três decorações na versão Color, o tejadilho, as portas (se forem opção), as tampas dos porta-luvas e até mesmo os tecidos dos bancos podem ser em azul, vermelho ou verde. E o mesmo acontece com as jantes em alumínio (opção). Com o pack Twizy Color cada um tem o seu estilo. O nível de acabamento Technic representa a modernidade em todos os pormenores: da aplicação carbono nos strippings, às costas do banco dianteiro em branco e o tecto transparente com tratamento anti-UV (disponível, em opção, posteriormente).
Para protecção dos bens pessoais, os ocupantes podem contar com dois porta-luvas (de
3,5 e 5 litros de capacidade, este último com chave e uma tomada de 12V. Atrás das costas do passageiro fica um compartimento com 31 litros de arrumação adicional.


Características e dados técnicos


DIMENSÕES
Jantes de referência (polegadas)
13
Comprimento (mm)
2 337
Largura sem retrovisores (mm)
1 191
Altura (mm)
1 461
Distância entre eixos (mm)
1 684
Via dianteira / traseira (mm)
1 050 / 1 036
Peso em vazio (kg)
450 (dos quais 100 kg de baterias)
Pneumáticos
125x80 R13 (Frente) 145x80 R13 (Atrás)
MOTOR
Tipo de motor
Eléctrico
Transmissão
Directa com redutor e inversor Ft / Tr
Potência máxima
Versão 45km/h – Versão 80km/h
7 kW / 9 cv
13 kW / 17 cv
Binário máximo CEE (Nm)
57
BATERIA
Tipo de bateria
Ião-lítio
Autonomia (km)
100
PERFORMANCES
Velocidade máxima (km/h)
Versão 45km/h – Versão 80km/h
45 - 80




Os clientes interessados podem, desde já, reservar qualquer versão do Twizy no site www.zero-emissoes.renault.pt.


O Renault Twizy é produzido na fábrica de Valladolid, em Espanha.



(Elaborado com base no comunicado difundido pelo Departamento de Comunicação da Marca)




Procura automóvel novo, usado ou acessórios? Quer saber mais sobre este ou sobre outro veículo?

Autoria e outros dados (tags, etc)

Terça-feira, 17.05.11

Renault Twizy: concorrente eléctrico do Smart já tem preços


A Renault aproveitou o Salão de Barcelona para revelar os preços na Europa do seu futuro citadino eléctrico, o Twizy. A gama terá um preço de entrada de 6990 € (IVA incluído) para a versão Twizy 45, equipada com um motor de 9 cv. Pode ser utilizada por condutores a partir dos 16 anos, sem necessidade de carta de condução. O Twizy com motor de 17 cv estará disponível com dois níveis de equipamento, “Urban” e “Technic”, com preços de, respectivamente, 7 690 € e 8 490 € (ambos os valores com IVA incluído).

Os clientes interessados podem, desde já, reservar qualquer versão do Twizy no site www.zero-emissoes.renault.pt. Para tal devem realizar um depósito de 20€ (num módulo de pagamento totalmente seguro) e serão os primeiros a ser contactados, aquando da comercialização, para confirmar a encomenda.
O Renault Twizy será comercializado, na Europa, a partir do final de 2011 e é produzido na fábrica de Valladolid, em Espanha.


Renault Twizy 45


Esta versão com apenas 9 cv tem uma velocidade limitada a 45 km/h. Em Portugal não será necessária a carta de condução, sendo por isso uma alternativa mais segura, para jovens condutores, aos veículos de duas rodas. Os clientes do Twizy 45 subscreverão um aluguer mensal da bateria de 45 € (IVA incluído).
Nas versões equipadas com o motor de 17 cv o valor mensal do aluguer será de 49 € (IVA incluído).


Twizy: urbano e seguro


O Twizy movimenta-se mais rapidamente que um automóvel em meio urbano graças às suas dimensões ultra compactas que facilitam também o estacionamento. Oferece aos seus dois ocupantes, sentados em «tandem», um nível de segurança muito superior ao de um veículo de 2 rodas, já que está equipado com vários dispositivos de segurança activa e passiva como a estrutura monocoque, airbag para o condutor, sistema de travagem de 4 discos, e cintos de segurança integrais.
Mais ágil do que um automóvel, as suas acelerações são comparáveis às de uma scooter. O motor eléctrico oferece acelerações lineares, com disponibilidade imediata de todo o binário e um completo silêncio de funcionamento. A carroçaria e os deflectores laterais ajudam a proteger do vento e das intempéries.


100% eléctrico e sem limitações


Numa situação limite de bateria totalmente descarregada, bastam 3 horas e meia para conseguir fazê-lo a partir de uma vulgar tomada doméstica. Com uma massa de 450 kg (dos quais 100 kg de baterias), a autonomia é de cerca de 100 km em circuito normalizado.
A gama de acessórios contempla:
- Saco semi-rígido de 50 litros
- Protecção adicional para o frio e as intempéries
- Um kit áudio Parrot que inclui uma conexão Bluetooth, uma entrada USB, uma entrada jack e uma entrada Apple.
- Radar de estacionamento traseiro.
- Elementos de personalização para completar o design das versões com jantes coloridas e strippings decorativos.


Características e dados técnicos


DIMENSÕES
Jantes de referência (polegadas)
13
Comprimento (mm)
2 337
Largura sem retrovisores (mm)
1 191
Altura (mm)
1 461
Distância entre eixos (mm)
1 684
Via dianteira / traseira (mm)
1 050 / 1 036
Peso em vazio (kg)
450 (dos quais 100 kg de baterias)
Pneumáticos
125x80 R13 (Frente) 145x80 R13 (Atrás)
MOTOR
Tipo de motor
Eléctrico
Transmissão
Directa com redutor e inversor Ft / Tr
Potência máxima
Versão 45km/h – Versão 80km/h
7 kW / 9 cv
13 kW / 17 cv
Binário máximo CEE (Nm)
57
BATERIA
Tipo de bateria
Ião-lítio
Autonomia (km)
100
PERFORMANCES
Velocidade máxima (km/h)
Versão 45km/h – Versão 80km/h
45 - 80




(Elaborado com base no comunicado difundido pelo Departamento de Comunicação da Marca)

Autoria e outros dados (tags, etc)

Terça-feira, 03.11.09

Notícias sobre veículos eléctricos

Parceria Toyota e Galp Energia

A empresa portuguesa e a construtora japonesa de automóveis estabeleceram uma parceria tecnológica que visa optimizar o uso da electricidade no automóvel. Portugal marca posição no desenvolvimento deste projecto, integrando um grupo restrito de países europeus a testar a proposta da Toyota de utilização da electricidade na mobilidade. A Galp Energia, pioneira no desenvolvimento do primeiro posto de carregamento rápido de veículos eléctricos em Portugal, foi a escolha lógica como parceira do projecto. Além de utilizar as duas fontes de energia na locomoção, característica dos puros híbridos, o novo automóvel pode optimizar o carregamento das baterias através da rede eléctrica, aliando as vantagens da locomoção 100% eléctrica e zero emissões, com a flexibilidade e autonomia das viaturas híbridas.


Mitsubishi eléctrico

O i-MiEV, projecto pioneiro da Mitsubishi, conquistou o título de "Veículo Eléctrico do ano de 2009" na Inglaterra. Elogiado pela habitabilidade dos seus 4 lugares, pela autonomia e pelo tempo de recarga da bateria, marca também pontos pela facilidade de utilização e design funcional do habitáculo. Lançado no início do Verão no Japão, os primeiros 25 i-MiEV de volante à direita chegam agora à Grã-Bretanha. Estas unidades destinam-se a serem utilizadas como demonstradores no Programa Estratégico em Tecnologia de Baixas Emissões de CO2, já que o seu lançamento comercial na Europa está apenas previsto para finais de 2010.


Peugeot eléctrico iOn

Primeiro construtor mundial de veículos eléctricos, a Peugeot será também das primeiras marcas a comercializar na Europa um novo automóvel 100% eléctrico, o iOn, em finais de 2010.
Desenvolvido em parceria com a Mitsubishi, destina-se tanto a clientes particulares como a frotas (administração, associações locais, grandes empresas, etc.), dadas as suas características particularmente adaptadas ao meio urbano. Com quatro lugares e um comprimento de 3,48 m, possui autonomia para 130 km e as suas baterias de iões de lítio são recarregáveis em seis horas numa tomada clássica de 220 V, ou a 80 % em trinta minutos, graças ao seu sistema de recarga rápida.

Renault zero emissões

Em http://www.zero-emissoes.renault.pt/ o construtor francês é o primeiro a desvendar os segredos de um projecto do género ao grande público. Faltam cerca de 900 dias para que a Renault inicie a comercialização, em larga escala, de uma gama de veículos eléctricos, tornando-se na primeira marca a chegar ao mercado com uma gama completa de modelos.

Veículos eléctricos em Portugal

A parceria entre o Governo Português e a Aliança Renault-Nissan para promover a Mobilidade com Zero Emissões no país, torna Portugal pioneiro num programa que visa tornar os veículos eléctricos numa solução viável e atraente para os consumidores. A Renault-Nissan assume o compromisso de comercializar veículos eléctricos para os consumidores portugueses a partir de 2011, cabendo às autoridades criar condições fiscais e dotar as cidades de infraestruturas para a recarga das baterias. Portugal e Inglaterra foram os dois países escolhidos para a instalação de fábricas de baterias de iões de lítio para os carros eléctricos da Aliança.

Autoria e outros dados (tags, etc)


Pesquisar neste site

Pesquisar no Blog  

"Portal do Automóvel" é um meio de comunicação dirigido ao grande público, que tem como actividade principal a realização de ensaios a veículos de diferentes marcas e a divulgação de notícias sobre novos modelos ou versões. Continuamente actualizado e sem rigidez periódica, aborda temática relacionada com o automóvel ou com as novas tecnologias, numa linguagem simples, informativa e incutida de espírito de rigor e isenção.
"Portal do Automóvel" é fonte noticiosa para variadas publicações em papel ou em formato digital. Contudo, a utilização, total ou parcial, dos textos e das imagens que aqui se encontram está condicionada a autorização escrita e todos os direitos do seu uso estão reservados ao editor de "Cockpit Automóvel, conteúdos auto". A formalização do pedido de cedência de conteúdo deve ser efectuado através do email cockpit@cockpitautomovel.com ou através do formulário existente na página de contactos. Salvo casos devidamente autorizados, é sempre obrigatória a indicação da autoria e fonte das notícias com a assinatura "Rogério Lopes/cockpitautomovel.com". (VER +)