Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

PORTAL DO AUTOMÓVEL




Segunda-feira, 30.04.12

TÉCNICA: Pneus novos passarão a ter vinheta com informação energética, de segurança e de conforto

Tal como já acontece com os electrodomésticos, por exemplo, também os pneus novos passarão a dispor de uma vinheta energética colada na sua banda exterior. Esta informação, destinada ao consumidor final, passará a ser obrigatória, a partir de Novembro de 2012, para todos os pneumáticos novos comercializados no espaço da União Europeia. De foram ficam, para já, os pneus recauchutados, com pregos, “off road” e os destinados a clássicos ou veículos de duas rodas. Complementarmente a esta vinheta autocolante com as indicações básicas – eficiência energética, segurança e nível de ruído – mais informações terão que estar disponíveis no site do fabricante, em documentação de apoio (técnica e/ou comercial) e na factura de compra deste equipamento.

O objectivo desta medida é, claro está, ajudar o consumidor na altura da decisão, tal como já o faz quando pretende adquirir um frigorífico ou uma máquina de lavar roupa, por exemplo.
Com isso, pretende esta regulamentação aumentar a segurança e a eficiência económica do transporte rodoviário, “incentivando a utilização de pneus que sejam eficientes em termos de consumo de combustível e seguros, e que tenham baixos níveis de ruído”, lê-se no artigo 1 desta nova legislação comunitária.
Segundo um dos principais fabricantes mundiais de pneus, a Michelin, a diferença de consumo entre um bom e um mau pneu, em termos de resistência ao rolamento, pode cifrar-se em meio litro de combustível a mais a cada 100 km. Mas não adianta diminuir a resistência quando isso pode colocar em causa a segurança – aumentando a distância da travagem ou comprometendo o desempenho em curva –, daí que os fabricantes estejam permanentemente a desenvolver novos compostos e novas soluções para os pneumáticos.

Pneus versáteis

“O importante, aquilo que o consumidor realmente deseja, é um pneu polivalente; capaz de se comportar bem tanto em piso molhado como seco, mas também capaz de aguentar estas propriedades, pelo menos, 40 mil quilómetros”, revela um responsável do fabricante francês. “A Michelin ouviu os condutores e, no topo desse inquérito, estão as preocupações com a versatilidade do pneu e a segurança que transmite. Mas logo a seguir, muito perto, estão a durabilidade e o conforto”.
Curiosamente, só depois vêm as preocupações com o consumo. Isso não é totalmente de estranhar se atendermos à pouca importância que muitos condutores fazem à correcta pressão dos pneumáticos, para a qual os principais fabricantes de pneus não se cansam de alertar. É que, uma pressão incorrecta (não é necessário muito, bastarão 1 a 2 bares a menos) é suficiente para aumentar 0,5 a 1 litro o consumo de combustível por cada 100 km!
Em altura de crise, questões como esta e a que refere à longevidade dos pneus adquirem maior relevo. Mas se esta é uma preocupação imediata, o condutor que escolhe novos pneus para a sua viatura deverá ter em conta uma outra, muito séria, e que, perante um imprevisto, poderá revelar-se igualmente económica: a segurança das reacções de um pneu. Além da óbvia questão do comportamento em curva ou perante uma alteração inesperada de aderência (geralmente piso molhado ou escorregadio), o condutor deve ter a noção de que a distância de travagem aumenta cerca de 30 por cento num carro equipado com pneus de categoria F, face a um de categoria A (ver AQUI o vídeo demonstrativo).

Explicação detalhada da vinheta

Tendo por base preocupações de segurança, economia e comportamento, cabe a cada um dos estados membros aferir a exactidão das informações constantes em cada pneu. Essas classificações são declaradas pelos fabricantes de acordo com a análise de 9 laboratórios, 3 dos quais independentes. Perceba a seguir, com maior pormenor, o que transmite cada uma das informações da vinheta colada no pneu. Estas indicações dizem apenas respeito a veículos ligeiros de passageiros, sendo diferentes para comerciais e viaturas pesadas.

A classificação de cada pneu consoante a resistência ao rolamento (CRR). Pneus de categoria "G" perderão homologação europeia em Novembro de 2011 e a sua comercialização cessa em 2014. O mesmo acontece em 2016 e 2018 para pneus categoria "F" 
Maior resistência ao rolamento implica, necessariamente, consumos superiores. Os construtores automóveis pressionam cada vez mais os fabricantes de pneus, de modo a obter ganhos nas emissões de CO2, mas o consumidor ganha igualmente com essa economia.
Neste caso, a segurança é essencialmente medida sobre piso com menor aderência. São importantes os compostos da borracha, mas também a capacidade de deformação da estrutura do pneu e, mais importante ainda, os rasgos que permitem o escoamento da água e garantem a aderência da restante estrutura do piso. Pneus de categoria "F" perderão a homologação ainda este ano e deixarão de ser vendidos em 2014.
A fraca capacidade de aderência implica a necessidade de mais espaço para travar e pode significar a diferença entre ter ou evitar um acidente.
O ruído do rolamento é um dos parâmetros que afere o conforto de um veículo, também ele sujeito a normas comunitárias em permanente actualização. Neste campo é indicado o valor de poluição sonora e o respeito dos limites dos regulamentos da CE
Procura automóvel novo, usado ou acessórios? Quer saber mais sobre este ou sobre outro veículo?

Autoria e outros dados (tags, etc)



Pesquisar neste site

Pesquisar no Blog  

Procura carro novo, usado ou acessórios?



"Portal do Automóvel" é um meio de comunicação dirigido ao grande público, que tem como actividade principal a realização de ensaios a veículos de diferentes marcas e a divulgação de notícias sobre novos modelos ou versões. Continuamente actualizado e sem rigidez periódica, aborda temática relacionada com o automóvel ou com as novas tecnologias, numa linguagem simples, informativa e incutida de espírito de rigor e isenção.
"Portal do Automóvel" é fonte noticiosa para variadas publicações em papel ou em formato digital. Contudo, a utilização, total ou parcial, dos textos e das imagens que aqui se encontram está condicionada a autorização escrita e todos os direitos do seu uso estão reservados ao editor de "Cockpit Automóvel, conteúdos auto". A formalização do pedido de cedência de conteúdo deve ser efectuado através do email cockpit@cockpitautomovel.com ou através do formulário existente na página de contactos. Salvo casos devidamente autorizados, é sempre obrigatória a indicação da autoria e fonte das notícias com a assinatura "Rogério Lopes/cockpitautomovel.com". (VER +)